Ansiedade.

Por Otavio Lazzuri

Esse foi o tema do encontro desta semana com o Rafa em 28/04. Parece que o tema foi marcado a dedo, pois no último final de semana (feriado prolongado), tivemos uma “folga” nos treinos longos. Bike com rodas novas, o feriado seria perfeito para testá-las. Foram dois treinos leves (sexta e sábado) de cerca de 1h a 1h30. Até ai tudo normal, mas não foi. Vou relatar essa semana:

No Domingo de páscoa, um leve desconforto na região lombar que creditei a uma noite mal dormida ou um “mau jeito” qualquer. Na segunda o incomodo continuava ali, mas de noite: 3000mts de natação + musculação, porém esta última prematuramente abreviada por uma forte dor na região lombar.

A preocupação em perder os treinos do final de semana: 180+35 já vieram na hora pra minha cabeça. Já tive essa dor outras vezes, passava sozinha em uma semana. Uma semana??? PQP, não tenho uma semana pra perder!! É meu primeiro Iron!!

Acordei na terça ferira totalmente “travado”, não conseguia amarrar os sapatos sem sentir dor, mas nada se comparava à possibilidade de perder o final de semana.

Logo cedo avisei o Enzo e marquei com o Paulo (fisioterapeuta).

                        – “Cancela consulta no escritório que eu tenho que fazer fisioterapia logo cedo!”

Peguei o calendário e contei com o dedo: faltam 31 dias!!!!! É um final de semana muito importante, o último realmente longo e precedido de um descanso, era hora de me testar!

Quarta feira: fisio de manhã (nada promissora e pouco animadora), vi ali acabada a possibilidade de treinar no final de semana, pelo menos bike no sábado, pois mantinha esperanças na corrida de domingo. Sai de lá direto pra farmácia comprar anti-inflamatórios.

Na quinta, já estava bem melhor. Já podia me mover decentemente, mas sentia a musculatura tensa, dolorida e cansada, não sei explicar direito. Não fiz absolutamente nada (treino), tomei os remédios e fiz os exercícios recomendados pelo Paulo.

 Mas a perda do treino não saia da minha cabeça.

Hoje cedo, na fisioterapia, mesmo dizendo que me sentia bem, que estava animado eu sabia que não ia dar pra treinar como eu queria, e veio a martelada final: NADA DE TREINOS ATÉ A PROXIMA SESSÃO! Exceto uma natação “ de leve” rsrsrs.

Avisei ao Enzo, que já sabia qual seria o veredicto: VETADO!

Voltando ao inicio do texto: a ANSIEDADE. Acho que ela estaria me corroendo por dentro, não fosse o “bate papo” de ontem e a firmeza que o Enzo teve ao falar que esse treino não vai fazer falta, que já fizemos mais do que os debutantes do ano passado e poderia matar esse treino sem probelma: me imaginei treinando sozinho (sem os amigos, sem um técnico, sem um psicólogo…) com certeza iria fazer a coisa errada, das duas uma: ou iria treinar e me arrebentar de vez, ou iria ficar parado mesmo, mas mentalmente na lama.

A autoconfiança que ganhei com todos vocês nesse período de treinos, com certeza vai me ajudar muito.

Obrigado a todos! Bons treinos! Até a feijuca do Marcião!

Esporte, o presente!

Hoje, 29 de Abril é aniversário do amigo Marcio, que vocês leitores vem acompanhando aqui no blog. O Ironman Brasil 2011 é a exatamente um mês, e todo o esforço realizado até agora trás a tona sensações, reflexões e um motivo básico para celebrar.

Por Marcio Bernardo

Diferente de muita gente, eu gosto de comemorar meu aniverário, afinal de contas, é uma data especial onde as pessoas bem próximas (e também aquelas um pouco mais distantes) ligam, escrevem mensagem no cel, facebook, fazem festa, etc, etc…além disso, é uma data que serve pra você avaliar tudo aquilo que passou no ano anterior e também planejar o que está pra acontecer no futuro e com base em tudo isso, AGRADECER a DEUS… sempre, sempre, sempre… pelas coisas boas e ruins, alegrias e tristezas, vitórias e derrotas… e pedir que Ele continue sempre do nosso lado! Agradeço pela minha família, casa, meus amigos, emprego, etc, etc, mas principalmente pela minha saúde…sendo assim, gostaria de compartilhar com todos vocês um email que a Boneca (Zé Eduardo Coimbra) compartilhou comigo no meu aniversário em 2009…Este texto relata exatamente isso que hoje faço questão de cebebrar e agradecer, SAÚDE e consequentemente a prática dos esportes…espero que todos gostem…

 Um dia me perguntaram: Porque você vai correr no dia de Natal?

Eu respondi: Quero muito celebrar a minha VIDA!

Depois perguntaram: Porque você vai nadar no último dia do ano?

E respondi: Para comemorar a minha SAÚDE.

Ainda perguntaram: Porque você vai pedalar no primeiro dia do ano?

Respondi: Para deixar avisado aos outros 364 dias que estarei na área!

E por último ainda perguntaram: Porque você vai fazer um triathlon justamente no dia do seu aniversário?

E finalmente respondi: Porque eu mereço um PRESENTE!

 “A POSSIBILIDADE DE PRATICAR ESPORTE É UM PEQUENO PRESENTE QUE GANHAMOS DE DEUS PARA CELEBRAR A VIDA E A SAÚDE”

O que é entusiasmo!

O texto abaixo foi tirado de um livro chamado Insight, além de falar sobre o próprio título ele expressa o comprometimento e percepções que os familiares dos atletas tem durante a preparação para uma prova tão grande e especial como o Ironman, é algo que só os que vivenciam conseguem dimensionar e mesmo assim faltam palavras ou parâmetros para discrever o que é. O texto emociona a todos que participarão do Ironman, mas também serve de inspiração para qualquer pessoa, na vida profissional, amorosa ou esportiva.

Por Vera Lazzuri O. Bonicio

Hoje , quando saiu de madrugada para o treino, pensei, nossa que entusiasmo…..que engraçado à noite lendo o livro Insight, tinha uma página sobre entusiasmo.

O que é entusiasmo! é algo misterioso que transforma uma pessoa comum em indivíduo excepcional.
Entusiasmo – a palavra vem de duas palavras gregas (en e theos). literalmente traduzida significa ( EM DEUS ).
O entusiasmo torna uma pessoa velha, jovem. É o carisma que atrai pessoas prestativas e alegres para se tornarem nossos amigos produtivos. É a fonte emocional prazerosa que borbulha, atraindo pessoas para nosso lado e absorvendo a alegria que brota do nosso coração. É a canção alegre de um pessoa positiva que canta uma mensagem inspirada ao mundo…
EU POSSO…….É POSSÍVEL>>>>>NÓS O FAREMOS……..
o entusiasmo não admite senão o sucesso. É surdo à voz do desânimo. O entusiasmo com grau moderado de sabedoria levará um homem muito mais longe do que o levaria qualquer dose de inteligência sem ele. Os homens que exerceram a mais poderosa influência no mundo não foram tanto homens de gênio, quanto homens de fortes convicções e inesgotável capacidade de trabalho, impelidos por irresistível entusiasmo e invencível determinação.
O entusiasmo abrirá uma porta quando as outras chaves falharem.

Sejam entusiasmados com suas vidas e principalmente , entusiasmados com vocês. Vocês verão a diferença. Abraços para toda a EQUIPE.

- A Sra. Vera é mãe do atleta Otavio, os dois estarão em Floripa dia 29/5, ela torcendo e ele competindo.

135km bike + 13km corrida. 16/4.

Por Enzo Amato

Neste sábado fizemos um dos treinos mais esperados da nossa preparação para o Ironman Brasil 2011, não pela distância, pois a essa altura já não é consideramos tão longo, mas pelo desafio, pelo visual e pela cara de passeio que tem esse treino.

Nosso dia começou as 4:45 da manhã quando nos encontramos em frente à casa do Marcio, colocamos as 9 bicicletas na carreta da van que alugamos e embarcamos com muita bagagem, geladeiras e comida.

Seguimos com a van até o km 57 da Ayrton Senna e de lá começamos o treino, era 7:20, pedalamos por 100km até o pé da serra de Campos do Jordão, nesse momento éramos apenas 4 atletas e pensávamos que os outros 5 estavam por chegar, reabastecemos as caramanholas e de lá parece que começamos outro treino completamente diferente, nos faltavam 18km de subida íngrime que levamos 1h30 para vencer, batimentos acelerados, e muita força nas pernas, chegamos ao topo com a sensação de super heróis, a sensação de superar algo tão grande provocou emoções, abraços, gritos de comemoração e fotos.

Os 4 no mirante

Nessa hora ficamos sabendo que os outros ciclistas haviam errado o caminho e tiveram que ser resgatados pela van, pois além do erro, uma das bicicletas havia quebrado. Corrigido o percurso os atletas seguiram pedalando direto para Santo Antonio do Pinhal, onde completaríamos o treino com uma corrida de 13km até o Pico Agudo.

Depois dos 135km de bike, todos prontos para correr.

Deixamos as bicicletas na pousada, calçamos os tênis. Novamente a distância não assustava, mas chegar até o Pico Agudo por si só já é difícil, pela forte subida. São 8km onde dificilmente conseguíamos vencer cada km abaixo de 8 minutos, em vários momentos a única alternativa era caminhar, e mesmo assim os batimentos continuavam muito acelerados.

A chegada é comemorada, e depois do fôlego recuperado eram só sorrisos, fotos e piadas.

Espero que a dificuldade do percurso não tenha ofuscado a bela paisagem pela qual passamos boa parte do dia.

A van nos levou de volta para a pousada onde tomamos banho, arrumamos a bagagem e seguimos direto para uma pizzaria local. Chegamos em São Caetano as 23 horas, cansados, mas contentes pelo dia que tivemos.

180km + 35km por Otavio Lazzuri

Treino mais longo da preparação até agora, Tatá venceu uma distância que nunca havia feito em cima da magrela e correu muito bem no dia seguinte, mostrando que está muito bem treinado para o Ironman Brasil 2011.

Pelo atleta Otavio Lazzuri.

Estava esperando muito mesmo por esse final de semana… acho que desde 31 de maio de 2010, quando fiz minha inscrição para o IM 2011.
Iniciei o treino (sab+dom) sabendo que poderia concluí-lo bem, e foi o que aconteceu.
No pedal o sofrimento bateu no km 155/160 até o 170, quando a motivação para concluir a distância da prova tomou conta, e junto com a altimetria ajudaram nos 10km finais.
No domingo sabia que iria doer, por já estar cansado, mas o pace confortável na maioria do percurso, o grupo todo unido fez o treino se tornar mais tranquilo. ATÉ os últimos 9km, quando o um integrante, que prefiro deixar anônimo, resolveu botar “pimenta” no treino.
Mas no geral, um final de semana muito produtivo. Os trabalhos do Enzo e do Rafa me ajudaram muito.
Falta pouco!!!

O integrante apimentado a quem Otavio se refere é o Edu Coimbra, cada um tentou quebrar o outro psicológicamente acelerando cada vez mais a disputa saudável que só se definiu no último km onde o Otavio nos deixou comendo poeira nos últimos 100m, pronto falei!

Long Distance em Caiobá por Witney Moriyama Jr.

Witney é um dos atletas da nossa turma, que também está se preparando para seu primeiro Ironman e neste dia 10/4 participou do Triathlon Long Distance em Caiobá, e nos conta como foi a prova pra ele.

Pelo atleta Witney Moriyama Jr.

Chegamos no Sábado em Caiobá para pegar o Kit da prova, chovia e ventava muito.
A previsão não éra das melhores, pois prometia chuva e vento para a prova de Domingo.
Fui dar uma espiada no mar e estava uma coisa de louco; já se falava em só correr e pedalar.
Eu estava com minha bike totalmente revisada pelo Tiago da “Oficina da Bike”, com dois pneus e câmaras novas e também o Mr. Tuff pra ajudar.
Ainda bem que o problema que eu sentia da instabilidade na Bike foi resolvida, pois o problema era uma folga de 2,0 mm no rolamento da mesa que o Tiago achou e ajustou.
Consegui também comprar, lá em Caiobá, um suporte para os tubos de CO2 e deixar a Bike tinindo………eu dormi com a Bike do lado da cama……rsrsrs
Comemos muita massa e bebemos muito líquido no Sábado.
Domingo acordei as 5:20, tomei um café reforçado, me preparei e fui para a área de transição.
A chuva parou, o mar estava calmo, mas ainda ventava muito na Bike.
Fiz uma boa natação, o sentido definido foi o anti-horário por causa da maré que estava puxando muito, sai da aguá com 34 minutos, sem me esforçar muito, na boa.
Gastei uns 3 min na transição e sai para pedalar.
Não sei quanto tempo eu fiz de Bike porquê acabei esquecendo de “zerar” o Cateye.
Mas estava ventando muito o que dificultou um pouco no pedal, mas mesmo assim meu pedal foi bom, melhor que o ano passado.
Fui chamado a atenção pelos fiscais da prova porque estava conversando com um colega na Bike do meu lado……..
Fazer o que, né?
Enzo, logo no inicio da Bike eu comi aquele doce de abóbora, que me ajudou bastante…..
Vou querer mais uma remessa de doces.
Na segunda volta da Bike, comecei a sentir a musculatura da perna pegar um pouco na parte superior da coxa, mas mantive firme o pedal até o final.
Na segunda transição também foi tranquilo e sai para correr com 3:06 min de prova.
O tempo estava muito bom, sem chuva e encoberto…do jeito que eu gosto!
Bom, eu mantive todos os quilômetros abaixo dos 5 min, mantendo um ritmo muito constante e encaixado, terminando os 21 Km em 1:40 min.
Caramba,…fechei o meio Iron em 4h:57min, nada menos que 28 minutos abaixo do tempo do ano passado.
Minha meta que eu havia colocado foi de 5h.
Foi minha melhor meia maratona, que antes éra de 1h:44min.
Deu tudo certo na prova, acho que este excelente resultado é consequência da sequência de treinos que estamos fazendo para o Iron.
Fiquei muito feliz com o resultado e um pouco mais confiante para encarar o Iron daqui 48 dias.
Agradeço a todos vocês pelo apoio e pela amizade.
Também não poderia deixar de contar que eu estive na ultima sexta feira na Vanessa e recebi antecipadamente 5 estrelas e um grande parabéns por ter atingido minha meta de 15% de índice de gordura, que ao todo foram 11,5 kg de gordura eliminados desde o dia 11 de Dezembro de 2010.
Ganhei também 5,0 kg de massa!!!

180km de pedal no sábado e 35km de corrida domingo. 9 e 10/4.

Fim de semana pesado para a galera que vai para o Ironman.

Clodoaldo, Witney e Antonio foram para Caiobá no Long Distance e fizeram força, o Evandro fez 150km na serra, enquanto a maioria da turma, Edu, Marcio, Otavio, Douglas, Virtual e eu, pedalamos 180km na Rodovia dos Bandeirantes, saíndo do posto no km 28 e só retornando no km 118. O vento ajudou um pouco na ida, em uma das descidas cheguei a 75km/h, na volta não chegou a atrapalhar tanto quanto imaginávamos, terminamos o treino em praticamente 6 horas contando as pequenas paradas para troca de pneu e reabastecimento de água.

Domingo acordamos cedo outra vez, mas agora para correr 35km. Pegamos carona na meia maratona da Corpore, corremos 5km antes da largada, acompanhamos os 21km da prova e ao invés de cruzar o pórtico de chegada, cruzamos a pista e fizemos novamente os 9km finais. Corremos num ritmo confortável o treino todo com direito a um sprint na última meia hora. Terminamos muito confiantes!

O fim de semana foi muito exigente e para que possamos fazer outros treinos com tanta qualidade como estes teremos que descansar bem e recarregar os tanques para que todos continuem confiantes.

As últimas 8 semanas de treino para o Ironman Brasil 2011.

Pouco menos de dois meses para o Ironman, para os que já vem treinando faz tempo parece que a prova está muito próxima.

No início da preparação, tenho uma ideia do que faremos até o final dela, mas de acordo com as respostas do grupo aos treinos vou adaptando a planilha para que todos cheguem no ápice de desempenho lá no fim de Maio, que é o grande dia, não quero que cheguem cansados ou de saco cheio de tanto treinar, o que quero é a sensação de que a cada treino eles se sintam melhores, mais confiantes e adaptados.

Por isso que ainda tem muita preparação para meu grupo de atletas/amigos. Ainda temos alguns treinos longos que nos darão cada vez mais confiança e certeza de que estamos preparados, por enquanto a sensação é de que estamos no caminho certo, mas a certeza ainda está por vir. Se você já está ou conhece alguém que já se sente preparado para encarar a prova diga pra ele descansar um pouco, pois ainda falta muito.

Veja o que programei para essas últimas 8 semanas.

  1. 9 e 10/4 - 180km bike no sábado, 35km corrida leve domingo;
  2. 16 e 17/4 – 6horas de bike leve em montanha + 2horas de corrida em montanha e domingo de descanso;
  3. 23 e 24/4 – Fim de semana de descanso completo;
  4. 30/4 e 1/5 – Sábado 180km bike + 4km corrida leve, domingo 35km corrida leve;
  5. 7 e 8/5 – Sábado mais de 6 horas de bike + 4km corrida leve, domingo descanso;
  6. 14 e 15/5 – Sábado 90km bike + 20km corrida, domingo descanso;
  7. 21 e 22/5 – Treino com base na dieta de supercompensação, provavelmente 2 horas de bike leve sábado sem comer nada e 1 hora de corrida leve domingo também sem comida;
  8. 29/5 – Ironman Brasil 2011 –  3.8km natação, 180km bike e 42,2km corrida, todos felizes e contentes.

Importante lembrar que quando o fim de semana é exigente, a semana é light com treinos curtos e muito descanso, quando não tem treino no fim de semana os dias são de treinos fortes e velozes. Não quero que você mude seu planejamento, pois há varios meses vem seguindo uma linha de pensamento e método, só estou expondo como é o do meu grupo. Qualquer dúvida, opinião ou pergunta é só me escrever.

Londres 2012 falha em atrair novos esportistas

Organizadores querem convencer 1 milhão de ingleses a praticar esportes três vezes por semana

Por Jere Longman, de Londres

Planejamento inadequado, mudança de governo e cortes no orçamento de organizações de esportes forçaram um reconsideração na ambição inglesa

Quando Londres foi escolhida para sediar os jogos olímpicos de 2012, os organizadores definiram uma meta ambiciosa: envolver mais 2 milhões de pessoas em esportes e atividades físicas na Inglaterra.

Porém, a menos de 18 meses das Olimpíadas, esse compromisso lembra um solitário corredor ofegante, curvado e cansado de uma resolução de Ano Novo cuja ambição não pôde ser cumprida por falta de empenho.

O desafio original de Londres teve de ser modificado. Agora, os organizadores planejam convencer 1 milhão de pessoas na Inglaterra a praticar esportes três ou mais vezes por semana, durante pelo menos 30 minutos. Só que até mesmo a meta do “plano 3×30” vem se mostrando ilusória.

Números divulgados em dezembro pela agência governamental de desenvolvimento do esporte no país, a  Sport England, indicaram que a participação no nível 3×30 havia aumentado em 123 mil pessoas desde 2007, quando foi estabelecido o parâmetro de 1 milhão. No ano passado, porém, esse número aumentou em apenas 8 mil pessoas. No ritmo atual, a meta de 1 milhão de novos participantes não seria atingida em 2013, como se esperava, mas somente uma década depois, em 2023-24.

Enquanto isso, num país que figura entre os mais obesos da Europa, a quantidade de sedentários parece continuar a crescer. Pesquisas da Sport England indicam que o número de adultos que não praticam nenhuma atividade esportiva aumentou em quase 300 mil desde 2005, quando Londres foi declarada sede das Olimpíadas até 2012, até o outono de 2010.

Planejamento inadequado, mudança de governo, profundos cortes no orçamento de organizações de esportes e uma aparente superestimação do impacto dos jogos olímpicos sobre a participação das massas forçaram um reconsideração na ambição inglesa.

O último plano, divulgado em novembro pelo governo democrata de coalizão conservadora-liberal, omitiu a meta de 1 milhão de pessoas. Em vez disso, falou em estimular mais pessoas a se envolverem em esportes por meio de um novo programa, patrocinado pela Loteria Nacional, denominado “Places People Play”.

“Ainda não desistimos da meta, mas estamos examinando-a com bastante cuidado”, disse Hugh Robertson, ministro de esportes da Inglaterra, em entrevista por telefone.

Segundo Robertson e outros especialistas em esportes, é necessária uma forma mais concreta de definir e mensurar esportes e atividades físicas. Caminhar até o ponto de ônibus conta? Se alguém jogar uma partida de futebol de 90 minutos, isso conta como uma sessão de atividade, ou três?

Evidências sugerem que há mais pessoas participando de esportes do que as pesquisas revelam, diz Robertson. Porém, segundo ele, mensurar a participação envolve um “mecanismo um pouco complicado”.

Todas as candidaturas para sediar as Olimpíadas precisam mostrar como os jogos irão oferecer benefícios permanentes. Cada cidade pode criar um plano de legado. Não existem penalidades específicas por não atingir uma meta, mas o fracasso pode minar a reputação de Jogos de Verão ou de Inverno e causar uma vergonha política.

Alguns críticos acusaram Robertson de reduzir as ambições londrinas pós-Olimpíadas. Ele respondeu enfaticamente que “não é isso que estamos buscando fazer”.

Legado – Darryl Seibel, porta-voz da Associação Olímpica Britânica, afirmou que autoridades esportivas e governamentais estavam determinadas a deixar um legado significativo das Olimpíadas de Londres, e a levar os planos “da retórica à realidade”.

Londres não é a primeira cidade-sede a lutar com seu legado olímpico. Na verdade, eventos internacionais como Olimpíadas e Copa do Mundo deixam um impacto mais perceptível em infraestrutura do que nos esportes. Estradas, aeroportos e sistemas de trens são aprimorados, enquanto inúmeros estádios se tornam elefantes brancos e os benefícios esportivos permanecem indistintos.

Seis anos depois que Albertville, na França, sediou as Olimpíadas de Inverno de 1992, a arena de patinação artística e a pista de patinação de velocidade foram cercadas e abandonadas. O magnífico estádio olímpico exibido nos jogos de Pequim de 2008, conhecido como Ninho de Pássaros, raramente era usado após um ano e meio.

Em Londres, houve uma calorosa discussão sobre o Estádio Olímpico de 854 milhões reais: após 17 dias da competição, ele deveria ser demolido e substituído por um estádio de futebol, ou reduzido em tamanho e transformado numa arena para sediar tanto futebol quanto atletismo? Prevaleceu a segunda opção, numa recente votação pela empresa encarregada do legado olímpico.

Pesquisas sobre o impacto dos Jogos Olímpicos na participação do povo em esportes não geraram resultados animadores. Em 2007, o Comitê de Cultura, Mídia e Esportes, da Câmara dos Comuns do Reino Unido, concluiu que “nenhum país-sede jamais conseguiu demonstrar um benefício direto dos Jogos Olímpicos na forma de um aumento estável em participação”.

Um estudo após as Olimpíadas de Sidney, em 2000, mostrou que, embora sete esportes olímpicos tenham mostrado um leve aumento de participação na Austrália, nove mostraram declínio.

Após os Jogos da Amizade de 2002, sediados em Manchester, na Inglaterra, “não houve aparentemente nenhum impacto registrado sobre os níveis de participação esportiva” no norte do país, escreveu Fred Coalter, professor de estudos esportivos na Universidade de Stirling, na Escócia.

Os Jogos Olímpicos deixarão um legado de estádios novos e renovados, mas provavelmente “não resultará numa nova onda de participação em massa nos esportes”, segundo o Centro de Pesquisa de Esportes, Educação Física e Atividades na Universidade de Canterbury Christ Church, na Inglaterra.

As pessoas fisicamente ativas podem se tornar mais ativas ou tentar um novo esporte, diz Mike Weed, professor de esportes na sociedade da Universidade de Canterbury. Aqueles que já foram ativos podem ser estimulados pelas Olimpíadas a renovar sua participação, diz ele. Isso é conhecido como efeito demonstração.

O que esse fenômeno não faz, disse Weed, “é causar impacto sobre aqueles que nunca praticaram nenhum esporte”.

“As Olimpíadas estão aqui em cima, e nós estamos aqui embaixo”, disse Asha Solanki, de 30 anos, que trabalha com marketing e pratica artes marciais. “Parece algo inatingível. Quantas pessoas você conhece que fazem os 400 metros com barreiras?”

O último plano de legado, “Places People Play”, é um esforço de 130 milhões de libras para construir, manter e reparar instalações esportivas locais; treinar 40 mil voluntários para organizar esportes de base; gerar competições para alunos do ensino primário e secundário; e estimular 100 mil adultos a levantar dinheiro para caridade e testar a si próprios em diversos esportes olímpicos e paraolímpicos.

Na divulgação do plano, em novembro passado, Sebastian Coe, ex-corredor olímpico e atual presidente da organização das Olimpíadas de Londres, disse que iria “usar a força inspiradora dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos para promover o esporte em todo o país”.

Tessa Jowell, ministra de esportes da oposição, disse: “Não importa como eles pintem, a promessa de legado olímpico que fizemos aos jovens deste país é mais uma promessa não cumprida pelo governo da coalizão”.

O programa fala pouco sobre como aumentar a demanda na participação em esportes, diz Weed. Robertson, o ministro dos esportes, diz que uma iniciativa multifacetada de esportes populares poderia dar certo.

“Eu nunca subestimaria as dificuldades do que estamos tentando fazer”, disse Robertson. “Mas esse não é um bom motivo para desistir. Foi a promessa que fizemos, e por isso continuaremos tentando”.

(The New York Times)

Fonte: Veja online

Minha opinião: Aqui no Brasil, diferentemente do primeiro mundo, acredito que o número de praticantes de esportes e ou atividade física aumente depois das Olimíadas, pois o país passa por um bom momento econômico e cada vez mais pessoas se inserem na classe média, pessoas que antes não tinham acesso ou condições de malhorar a qualidade de vida, a não ser trabalhar pela própria subexistência, passarão a ter. Acredito também que para estimular a população necessitamos de foco para encontrar e investir em atletas de ponta para que sirvam de exemplo e inspiração, foi assim com Guga, César Cielo, Marílson, com o Judô, Jiu Jitsu, futebol…