Mountain Do Atacama, treinos. (parte 2)

Ainda longe da data da corrida e já adaptando ou começando o treino de musculação com foco para essa corrida única, começamos a reparar em outros detalhes, como o planejamento e objetivos para a prova que encontraremos. É interessante ler o 1º texto sobre os treinos antes de aplicar o que escrevo abaixo.

Para uma maratona no asfalto, controlar o ritmo a cada km e os batimentos são bons parâmetros para direcionar a estratégia, que foi planejada nos treinos. No caso de uma prova em trilha ou montanha, contar os minutos a cada km pode não mostrar realmente o esforço que você está fazendo, por isso desconsidero esse parâmetro durante esse tipo de prova. Os batimentos também oscilam muito esteja você morro acima ou morro abaixo, mas uma característica comum para qualquer maratona é que você tem que ter força nas pernas, resistência e um bom condicionamento aeróbico na corrida. Mas como tudo na vida, e nas corridas não é diferente, existe um porém. Analisei o resultado final da maioria dos corredores da edição passada e percebi que boa parte terminou com um tempo aproximado aos tempos de uma maratona qualquer no asfalto. Isso me chamou a atenção e perguntei ao organizador, qual característica deixa a prova difícil? Ele disse – em poucos trechos teremos problemas com o percurso e por esse motivo não há necessidade de ir com tênis para trilha que são mais pesados que os de rua. Melhor se beneficiar com a leveza dos tênis normais. A dificuldade vem da baixíssima umidade junto com calor e a altitude, já que a média da maratona é a 2400m do nível do mar.

- Para a maioria dos brasileiros será impossível, talvez para os do centro-oeste seja apenas muito difícil, treinar com baixa umidade de Janeiro a Março. Sem contar que também não conseguiremos treinar acima dos 2000 metros, ou seja, temos que ir preparados nas variáveis que podemos controlar, ou seja, força, resistência para os treinos longos, e se possível velozes. E fazer a prova com mais cautela do que os treinos, até sentir que você faz parte do ambiente e que não está lutando contra ele.

Programe seus treinos controlando o ritmo e trabalhando na faixa de esforço recomendada pelo seu treinador, mas também programe sua prova com os parâmetros específicos para uma prova fora de estrada com os devidos poréns. A diversão de uma prova longa e diferente é tentar prevê-la e preparar-se para os imprevistos e diversidades que encontraremos sem a menor dúvida. Mountain Do Atacama 2013 já começou!

Se ficou alguma dúvida é só me escrever.

Texto 3, como posicionar os treinos longos na planilha.

Nos próximos textos ainda vou falar sobre o clima, e o que nós aqui do país tropical temos que ter na mochila.

Enzo Amato.

13 ideias sobre “Mountain Do Atacama, treinos. (parte 2)

  1. Primeiramente, parabéns pelos vídeos da prova. Ficaram ótimos!! Bem, vc já deve saber que a Mountain Do Atacama, de 2014 será em dezembro (07). Você sabe dizer se a temperatura dessa época é a mesma de Janeiro a Março, ou seja, seco?
    Vamos com grupo de alunos-amigos de São Luís (MA) para essa prova, ano que vem.
    Abraço.

    • Olá Lycia. No Atacama a amplitude térmica é sempre grande, frio de manhã e de noite e calor no meio do dia. Qualquer passeio turístico também exige que você leve boas roupas de frio. O clima é sempre seco apesar de poder haver alguma chuva, você sentirá que é bem seco, ainda mais se comparado a São Luís. Certamente vão para um lugar diferente. Espero que gostem tanto quanto eu gostei.
      Qualquer outra dúvida é só escrever.
      Abraço.

  2. Estou inscrito para os 42 k. Ja corri algumas maratonas, porém lesionei a panturrilha em dezembro e somente agora estou conseguindo correr. Cheguei aos 20 k mas ta difícil de recuperar o ritmo. O que sugere meu caro? Obrigado

    • Bruno, de acordo com o que você escreveu, sugiro que faça alguns treinos em ritmo confortável e constante para recuperar o condicionamento. Confortável porque assim você se recupera mais rápido depois de cada treino. Se der para encaixar mais um treino longo até dia 24/2 seria interessante, mas sempre avaliando se sua lesão está prestes a voltar ou não. Você tem que chegar na prova se sentindo bem, sabendo que será uma prova longa e que a lesão não vai voltar. Não adianta se matar de treinar e chegar lá meia boca. Tente equilibrar isso e deixe o grande desafio para o dia da prova. Se você conseguir treinar regularmente o condicionamento vai voltar em poucas semanas.
      Abraço e até lá.

    • Luciano, não sei se choro ou se rio com sua pergunta, você fez os 42km parecer fácil ao perguntar sobre plano de treino faltando 40 dias para a prova!!!
      Isso varia demais de pessoa pra pessoa, mas se você nunca fez uma maratona e nem começou a treinar, acho melhor repensar sua inscrição, rs.
      Não faça dessa prova uma tortura.
      Abraço.

  3. Pingback: Mountain Do Atacama, o que ter na mochila? | Blog do Amato

  4. Pingback: Mountain Do Atacama, treinos. (parte 3) | Blog do Amato

  5. Olá Amato, estou inscrito para a prova de 23k. Atualmente estou treinando em uma atitude de 1350m e fazendo 15 k. Estou focando na musculação, conforme sua orientação no texto 1, mas queria saber quanto tempo antes da prova (1mês, 20 dias, …) devo estar pronto para correr 23 k, sem risco de um cansaço excessivo e perigo de lesões?

    • Olá Fernando. Se você já corre 15km não será problema chegar aos 23 numa prova, mas para seu sossego psicológico acredito que treinar até os 20km faltando 3 ou 4 semanas para a prova, está ótimo. Poderemos sentir o cansaço porque não temos como treinar em condições climáticas parecidas a que vamos encontrar lá no Atacama. Será realmente uma prova de superação para uns e talvez mais tranquilas para outros, o organismo de cada um reage de um jeito diferente. A altitude média é de 2400m chegando aos 2641m no lugar mais alto da prova. É bem provável que todos já comecem a prova num ritmo confortável e realizável para a distância. O problema sempre é o relógio, a gente acaba treinando num certo ritmo e quer fazer o mesmo em qualquer prova, mas o dia e local contam muito, e nesse caso, o local vai fazer diferença e temos que respeitar a sensação do corpo, não o relógio.
      Em breve vou fazer outro texto com mais orientações, escreva se tiver mais dúvidas.
      Abraço.

  6. Olá. Estou inscrito pra corrida de 23 km do Atacama e queria saber quais os acessórios essenciais para essa prova, pois ela tem características bem diferentes das corridas de rua. Por exemplo, óculos de sol é um item necessário? E quanto a mochila de hidratação?
    Uma vez que a corrida acontece na altitude, com quanto tempo de antecedência deve-se chegar para fazer a adaptação? Na sua opinião, qual a pior condição no Atacama, a altitude ou a baixa umidade?

    Abs

    • Olá Maurício. Ainda vou escrever um texto sobre esse tipo de dica e acessórios, mas sem dúvida óculos de sol, protetor solar e até agasalho para o início da prova, que poderá ser entregue mais adiante num dos postos de hidratação assim que a temperatura aumentar.
      Mochila é muito individual. Eu provavelmente vou sem, pois haverá um posto de hidratação a cada 3 ou 5km. Mas a sensação de boca seca começa desde o primeiro minuto de prova.
      Quanto mais altos mais água temos que tomar e perceber como o organismo de cada pessoa reage, mas não estaremos tão alto assim, por isso não acho que a altitude seja um problema, mas a baixa umidade sim, essa será uma barreira para nós que estamos acostumados com a umidade a 60%, e não adianta chegar uma ou duas semanas antes porque com relação a baixa umidade não nos acostumaremos tão rápido. Essa é a dificuldade da prova na minha opinião.
      Ainda vou conversar mais vezes com o pessoal da organização e escrever mais textos para podermos curtir o visual e correr bem.
      Quanto aos passeios de alta montanha que os arredores proporcionam, acima dos 3500 ou 4000m temos que adaptar o corpo por alguns dias para não sofrer com dores de cabeça, mal estar… por isso se você quiser fazer turismo depois da prova, programe-se para ficar mais dias.
      Abraço.

  7. Pingback: Mountain Do Atacama, treinos. (parte 1) |

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>