Mountain Do Atacama, vídeo do percurso, parte 1.

O Mountain Do Atacama tinha as opções de percurso com 6, 23 e 42km. Fiz o mais longo e conto um pouco sobre ele.

No início fazia um pouco de frio, mas resolvi começar sem agasalho, só com regata, short  e boné. Sentir um pouco de frio antes de começar a correr não tem problema nenhum, após alguns km você já deve se sentir melhor. Após a largada logo saímos da cidade entrando numa estrada de asfalto, os primeiros minutos usei para regular os batimentos, já que eles subiram rápido por eu não ter feito um pequeno aquecimento antes da largada, me preocupei em segurar o ritmo e contemplar a paisagem, o sol acabara de nascer, o céu estava claro e as montanhas ao redor ainda escuras. Ficamos pela estrada até o 6º km, nesse ponto o pessoal dos 23km seguia pela direita e a maratona entrava numa estrada de chão batido onde ainda era possível desenvolver boa velocidade, no 10º km entramos num parque nacional chamado vale da lua, comecei o vídeo nesse ponto onde também a velocidade começou a variar por causa do percurso travado e cada vez mais bonito. Já era possível ver o sal branco na superfície, em alguns pontos o chão de areia fazia o ritmo cair bastante, mas nada de outro mundo, afinal era uma prova fora de estrada. No km 15 fizemos o retorno entrando novamente em estrada de chão batido com algumas descidas e a vista alcançando longe, seguimos assim até o km 25 com o ritmo bem constante, foi aí que voltamos ao local onde havíamos nos separado da turma dos 23km, ainda era estrada de terra, mas agora um pouco mais acidentada, começamos a margear a montanha que em determinado momento teríamos que atravessar, sendo aquela a primeira subida de verdade, onde os números do relógio eram apenas curiosidade, pois ainda estava por vir a temida duna que culminava no ponto mais alto do percurso…

Veja a parte 2

Veja a parte 3

Enzo Amato

Mountain Do Atacama 2013

O Mountain Do Atacama foi a surpresa da temporada, imaginava uma prova rústica, mas não tão apaixonante e organizada, antes mesmo da prova acontecer, ainda no Brasil, fui sendo cativado pela organização, nós atletas recebemos vários emails, que incluíam desde dicas sobre o que levar na mala, o que carregar durante a corrida, até os seguros viagem, pacotes de fotos, passeios disponíveis no destino etc…

No Chile as orientações foram passadas em dois horários diferentes, na praça central de San Pedro, o kit era composto por ítens que seriam úteis durante a prova, como cinto de hidratação, de boa qualidade, uma bandana, além de camiseta e mochila.

A prova passou por lugares que nunca poderíamos passar numa corrida no Brasil, no Atacama a paisagem é única e vocês poderão assistir ao vídeo que fiz, se animar ou não, mas pelo menos saber que o mundo das corridas vai muito além das provas em metrópoles asfaltadas e cheias de gente, e é capaz de chegar até ao deserto mais árido do mundo e que em 6, 23 ou 42km consegue passar por salares, vales, dunas de areia, montanhas de pedras vulcânicas, frio, calor, céu azul de sol brilhante sobre mais de 700 brasileiros, corredores amadores experientes e iniciantes, que dividiram comigo essa sensação. Parabéns a todos pela força de vontade durante a corrida e esforços que deixaram a agenda apertada para praticar um esporte apaixonante num lugar diferente!

Atacama - Percurso

Clique para assistir ao vídeo.

Se você também esteve lá, deixe seu comentário, ele servirá para os apaixonados por corrida como você. Abraço.

Enzo Amato.

A 6ª economia do mundo surreal.

Pedalo cerca de 80km por semana indo e vindo de uma das aulas que dou diariamente. Sinto dizer que a tendência é que eu pedale cada vez menos, ou morra pela pressa de alguém! Acredito cada vez menos no país que tem pleno emprego, cada vez mais empreendedores e classe média maquiados num jogo de números. Onde a única falta de maquiagem, é nas penas e punições ridículas aplicadas a pessoas que não sabem viver em sociedade.

Se eu fosse para uma balada em Santa Maria para me divertir, poderia ter morrido intoxicado junto com outras 241 pessoas. Se eu estivesse num jogo de futebol na Bolívia, para assistir futebol, poderia ter morrido por um sinalizador jogado por uma pessoa que queria ganhar moral dentro da própria torcida. Eu poderia ir ao trabalho de bicicleta, e no trajeto encontrar um motorista bêbado, que ao me atropelar e arrancar meu braço, ainda conseguiria pensar em fugir do local e jogar meu braço, que poderia ter sido reimplantado, num rio! Eu não poderia ter um relógio caro, uma bicicleta legal, uma moto, ou um carro, porque se um desfavorecido, no país do pleno emprego, quisesse tomá-lo de mim, bastaria me dar um tiro.

Concluo, com grande pesar, que em qualquer balada, em qualquer jogo, em qualquer dia que vou ao trabalho, essas atrocidades podem acontecer sem causar espanto, por causa de uma pessoa apressada, gananciosa, ou inconsequente, que depois de flagrada, pediria desculpa com cara de coitado, diria que se arrepende, mas continuaria sua vida, enquanto eu destruo a vida da minha própria família pela ausência repentina.

Esse é o mundo que eu vivo, e você?

Estratégia de corrida.

Há uma semana do Mountain Do Atacama e com a ansiedade a flor da pele acho legal deixar um tipo de estratégia de prova.

Uma grande diferença entre um corredor experiente e outro que nunca fez aquela distância, é o entendimento do que acontece com o corpo durante a prova, os motivos podem ser variados, mas o principal, acredito eu, é começar no ritmo errado. Garanto que não é bonito, nem honroso sofrer por vários quilômetros. O bicho pega pra valer e a não ser que você seja a reencarnação de Emil Zátopek, que sem nunca ter corrido uma maratona na vida, chegou na linha de largada da maratona olímpica de 1952 dias depois de ganhar os 10 e 5mil metros e faturou o ouro, seja consciente!

Mesmo sem nunca ter ido ao Atacama ou feito uma corrida por lá, sei que devo começar a prova correndo bem confortavelmente, até a respiração coordenar o esforço com os músculos, até o corpo regular a temperatura com o ambiente e o esforço, e depois disso chegar sem dificuldade, e com um tempo ruim, até a marca de 10km. Isso mesmo, num tempo ruim! Preocupe-se, se dentro de uma corrida de 23 ou 42km você passar os 10 no seu melhor tempo. Das duas uma, ou seu tempo nos 10 é muito ruim, ou você terá problemas mais adiante. Melhor garantir e segurar o ritmo!

Para quem nunca fez 23km, a prova só começa depois dos 10km, e para quem nunca fez 42 ela só começa depois dos 21, e até os 10 tem que parecer aquecimento. É claro que o normal é você se sentir muito bem no início, já que se preparou para correr por muito tempo, o problema de uma prova longa é você começá-la confortavelmente rápido, por isso ela tem que ser bem fácil pra todo mundo no início.

É dessa forma que oriento meus clientes de forma geral, claro que cada pessoa tem seu objetivo e diferentes aptidões, mas o que citei acima é regra geral.

Fique bem hidratado no dia anterior e o prato de massa é pra comer preferencialmente na sexta e não só no sábado.

O organizador da prova já enviou várias dicas sobre o local e também como iniciar a corrida. Penso que o que ele mais quer é que aproveitemos a oportunidade de correr num lugar muito diferente. Fazer a prova no limite é só para os bem experientes, que sabem o preço e arriscam mesmo assim, se não é seu caso, aproveite!

Enzo Amato