Tênis The North Face Ultra Trail

O que achei do recém lançado modelo Ultra Trail da marca The North Face.

Fiz um único treino de 5km com ele, e sem pestanejar decidi levá-lo para uma prova de 50km que faria 10 dias depois, (leia com foi) sabia que não iria incomodar e não precisava ser “amaciado”. Essa prova resultou não sendo muito técnica, mas 50km são 50km e passei por alguns desafios que me ajudaram a avaliá-lo, por exemplo ao cruzar um rio a drenagem foi rápida e o tênis voltou a ficar leve rapidamente, as meias também são importantes nessa hora, outra boa impressão foi a de ter corrido por quase 7hs sem que ele me incomodasse. 

The North Face Ultra Trail

Como o tênis não foi muito exigido não tenho mais a dizer quanto a essa prova, já a corrida seguinte, durou pouco mais de 5hs com todo tipo de terreno, uma das corridas mais alucinantes que já fiz, (leia como foi a VUT) e dessa vez sim, ele foi muito exigido, só não achei lama no caminho. Quando o pé era jogado pros lados eu não sentia as costuras ou qualquer material rígido, já com modelos mais duros preciso proteger os dedinhos com esparadrapo, mas com esse modelo foram irrelevantes. Os cravos não são tão espaçados quanto um modelo famoso de outra marca, mas isso deixou o pé um pouco mais protegido de pedras pontudas, mesmo sendo um calçado bem leve, 275gr e até que baixo.

Tracionou muito bem, mas como disse não peguei lama, só me falta esse teste. Talvez ele tenha uma pontuação mais baixa se levarmos em conta só lama, mas ao somar todas as situações de prova a média geral sobe muito por ser muito versátil e bom para terrenos mistos, como pedras, estrada de terra batida, areia e asfalto, que normalmente é o que encontramos nas provas.

Gostei muito do desempenho, vale o preço e desbanca modelos mais caros, pedrinhas pequenas se acomodaram na palmilha, mas nessa prova o terreno era tão agressivo que em algum momento acabei esgarçando a trama lateral de um ante pé, provavelmente numa pedra, coisas da trilha, mas ele ainda aguenta muitas provas parecidas. O solado por ter muitos cravos vai desgastar mais devagar. Somadas, as duas corridas acumularam 12hs de uso e a sola parece nova.

Preço sugerido: R$ 449

Depois de 100km: A terceira prova que fiz foi a Ultra Fiord 114km com muita lama e montanha, que me custou 28 horas, mas quando ainda me faltavam 70km ele rasgou na lateral, o que me deixou muito preocupado. A prova foi duríssima, mas não esperava que acontecesse isso. É um modelo mais para estradas de terra do que para provas muito técnicas pois o cabedal é frágil.

Depois de 300km: Não chegará!

Usei na Ultra Maratón Aconcágua 50km, Vulcano Ultra Trail 35km e Ultra Fiord 114km.

Livros La frontera invisible e Correr ou morrer, de Kilian Jornet

Esse é meu presente de natal de 2014.

Frente

Verso

La frontera invisible.

Ainda não tem versão em português. Se trata de uma viagem que o autor e mais dois amigos fizeram aos Himalaias e que um deles não voltou.

Atualmente o catalão está no Aconcágua tentando bater o recorde de ascensão e descenso do teto das Américas, sair dos 2750m.s.n.m. ir ao cume a 6962 e retornar, algo que deve fazer em menos de 14hs. Saberemos do sucesso ou não ainda em 2014.

O que se pode encontrar em português de Kilian Jornet é “Correr ou morrer” que é como uma biografia, apesar da pouca idade, tinha 25 quando escreveu esse, já havia vencido 3x a Ultra Trail du Mont-Blanc e sido campeão do circuito Skyrunning.

Imagino que qualquer corredor ou amante da natureza vá gostar do presente.

Enzo Amato

Vulcano Ultra Trail 2014 (VUT) en español.

La subida del km vertical me mató, más de dos horas de feroz y constante inclinación encarando el volcán de frente para sumar 8km a la corrida, no era ni el principio ni el fin, faltaban 12km todavía. El lago todos los santos junto con otros volcanes y montañas nevadas me rodeaban, era necesario detenerse para mirar, la bajada fue tan violenta para las piernas trémulas que no permitía desatención o contemplación, solo agilidad y fuerza. Los 35km me llevaron más de 5hs y después de todo, sin que nos hubieramos puesto de acuerdo, todos coincidían: fue dura, pero linda.

La corrida de 35km empezó a las 9hs, salimos de Puerto Varas a las 6.45 en ómnibus para llegar al Parque Nacional Vicente Pérez Rosales, el más antiguo de Chile, una hora más tarde. Como ya tenía casi todo listo pude ver pasar al grupo que ya corría los 80 y 64km, iniciados a las 3 y a las 6 de la mañana respectivamente, pasaban a pasos lentos bordeando el lago, que se parecía más a una playa de arena fina y oscura, eran en realidad piedras volcánicas que un día bajaron del volcán Osorno 2600mts arriba.

Quebrada Jurásica

Empecé fuerte, sabía que algunos trechos eran más difíciles y sería complicado pasar a los más lentos, la cámara estaba en el bolsillo de la mochila, pretendía usarla en puntos relevantes de belleza o dificultad, tracé en mi cabeza que sería una corrida de 23km, punto de retorno de la subida, a partir de ahí sería solo bajada y sabía que la soportaría incluso cansado, por eso forcé el rítmo para una corrida corta, de a poco fui dándome cuenta que tenía que sacar la cámara en todo momento para mostrar lo que sucedía y por donde pasaba: flores, bosques, senderos estrechos, bajadas, subidas, de todo y un poco más, terreno difícil para avanzar, en el km 5 e 6 subía por un rio seco llamado quebrada jurásica, con grandes piedras y desniveles que exigían el uso de las manos como apoyo, el rítmo cayó bastante y de repente veía el lago y las montañas, otra vez saco la cámara y comienzo a mostrar, hacía más calor de lo que imaginé, pero todavía tenía que subir el km vertical en la segunda mitad de la prueba y esperaba más frío, seguí corriendo al límite, pero la corrida, en su parte “más fácil” se mostraba un verdadero desafío de trail running, con variedad de recorrido, solo faltó que lloviera o nevara para complicarlo más.

Era mi turno de bordear el lago y ser observado por el grupo que haría 15km y largaría en pocos minutos, pasé por el punto de abastecimiento, cargué agua, comí frutas secas y partí para la parte más difícil, sin comillas. Ya cansado, más pesado por el agua en la mochila, corriendo en arena y en subida, la impresión era de que no salía del lugar, de a poco el terreno fue cambiando y la inclinación aumentando, en cierto trecho subía en piedras enormes y por suerte, ese dia, secas y adherentes. La cima del volcán aparecía entre nubes y antes de estas, bien pequeños, otros corredores, la cámara salió del bolsillo varias veces, podía ver el lago y las montañas cada vez más alto, corredores pequeños en la altura y corredores pequeños abajo, con casi 4hs de corrida, siendo dos de estas solo para subir 8km y llegar a los 1170mts.

Foto: Paolo Avila

Llegué al punto de retorno, chequearon mi número y empecé a bajar, pensé que podría hacer buenas imágenes de la bajada con el volcán de fondo y el lago adelante, pero me sorprendió el grado de dficultad del terreno, con piedras sueltas y una inclinación que nunca había corrido antes, en determinado trecho bajaba fuerte y me di cuenta que no podía frenar, mi velocidad aumentaba cada vez más al punto de no saber que hacer en los próximos pasos, hasta que un punto de elevación apareció y pude parar, me quedé más atento y con la adrenalina a mil, quería más, quería llegar hasta los corredores que estaban adelante, sabía que podía bajar bien a pesar del cansancio, seguí firme, piedras entraban en mis zapatillas y recordaba las polainas que quedaron en casa,

Foto: Paolo Avila

pasé la alfombra, tomé agua, comí frutas secas, me detuve, saqué las piedras y a partir de ahí eran 5km planos, cada vez más cerca de la entrada del parque y por donde pasan las personas, ya no eran los senderos marcados por los corredores, de nuevo parecía arena de playa que me detenía, pero la mente hacía que el cuerpo corriera hasta el final.

Llegué deslumbrado con lo que 7 amigos pudieron organizar después de volver de una linda corrida en la que habían participado, en una charla de bar tuvieron la idea de organizar una corrida en su región y así nació VUT, y con apenas 2 años alcanzaron el número establecido por el parque de mil corredores y fue una de las mejores y más difíciles competiciones de trail running de las que participé, teniendo en cuenta organización, ciudad sede, recorrido y paisaje. Fue una corrida de corredores para corredores, como a ellos les gusta enfatizar. Lastima que los organizadores decidieron no correr y solamente trabajar, creo que ni pudieron probar el ceviche de salmón con palta que fue ofrecido por uno de los patrocinadores a los corredores en la llegada, ni la cerveza artesanal o los chori pan…aproveché el masaje con kinesiólogos, me quedé 10 minutos con las piernas en el lago, vi la llegada emocionante de muchos, tomé el ómnibus y volví al hotel.

Para 2015 pretenden crear un recorrido de 100km bordeando el volcán, que otorgue 3 puntos en la UTMB y dos distancias más que den 1 y 2 puntos, además de los 15km como desafío para los debutantes en senderos. Entre los mil participantes, 14 países estaban representados, más de 30% eran mujeres y había 66 brasileros.

Como llegar: De Santiago, un vuelo al sur de 1h15 hasta Puerto Montt, después media hora en auto hasta Puerto Varas, una ciudad de 40mil habitantes con lindos hoteles, buena comida, variedad de paseos turísticos con paisajes y naturaleza.

Lo que usé:

  • Zapatillas: The North Face Ultra Trail;
  • Medias: 2 pares de poliamida Quechua y Nike;
  • Calza: Adidas running;
  • Camiseta térmica Nike y primera piel Columbia;
  • Mochila: Diosaz 10 Quechua. Donde llevé un rompe viento Montagne, primera piel Ansilta y guantes Quechua;
  • Lentes de sol: Briko;
  • Reloj: Polar V800;
  • Cámara: GoPro Hero 2.

El video con subtitulos en español.

Hasta la próxima!

Enzo Amato

100km chegou a hora, Ultra Fiord.

Passei dois anos correndo provas cada vez mais longas para pensar em escolher uma de 100km em 2015 e a verdade foi que a prova me escolheu.

Fui participar da minha última corrida em 2014 e encontrei o Stjepan que organiza a UTTP e a PIM no sul do Chile dentro do Parque Nacional Torres del Paine, depois da corrida fui cumprimentá-lo pelo resultado e ele me convidou a participar da Ultra Fiord, evento de ultra distância que vai entrar no calendário mundial de corridas de 100 milhas (160km) nela também acontecem as provas de 100km, 70 e 30km. Se você já viu fotos do lugar sabe que seria um convite irrecusável. Assistindo aos vídeos dá vontade de sair pra treinar.

Agora só falta ser aceito na distância de 100km, pois tenho que apresentar requisitos prévios.

Enzo Amato

Vulcano Ultra Trail 2014 (VUT)

A subida do km vertical me matou, mais de duas horas de inclinação feroz e constante encarando o vulcão de frente para somar 8km à prova, já não era início nem tampouco o final, faltavam 12km ainda. O Lago todos los Santos junto com outros vulcões e montanhas nevadas me rodeavam, mas era preciso parar para olhar, pois a descida foi tão violenta para as pernas trêmulas que não permitia desatenção ou contemplação, só agilidade e força. Os 35km me tomaram mais de 5hs e depois disso, sem que houvéssemos combinado, todos diziam – foi dura, mas linda.

A prova de 35km começou as 9hs, saímos de Puerto Varas às 6:45 de ônibus para chegar ao Parque Nacional Vicente Pérez Rosales, o mais antigo do Chile, uma hora depois. Como já tinha quase tudo pronto pude ver passar a turma que já corria as provas de 80 e 64km, iniciadas às 3 e às 6 da manhã respectivamente, passavam a passos lentos bordeando o lago, que mais parecia praia de areia fina e escura, na verdade eram pedras vulcânicas que um dia desceram do vulcão Osorno 2600m acima.

Quebrada Jurásica

Comecei forte, pois sabia que alguns trechos eram mais difíceis e seria difícil ultrapassar os mais lentos, a câmera estava no bolso da mochila, pretendia usá-la em pontos relevantes de beleza ou dificuldade, tracei na cabeça que seria uma prova de 23km, ponto de retorno da subida, a partir dai seria só descida e sabia que suportaria mesmo cansado, por isso forcei o ritmo para uma prova curta, aos poucos fui percebendo que a todo instante tinha que tirar a máquina para mostrar o que acontecia e por onde eu passava, flores, bosques, trilhas estreitas, descidas, subidas, tudo e mais um pouco, terreno de difícil progressão, no km 5 e 6 subia por um rio seco chamado de quebrada jurásica, com grandes pedras e desníveis que exigiam o uso das mãos como apoio, o ritmo caiu bastante e de repente via o lago e as montanhas, outra vez tiro a câmera e começo a mostrar, fazia mais calor do que imaginei, mas ainda tinha que subir o km vertical na segunda metade da prova e esperava por mais frio, continuei correndo no meu limite, mas a corrida, na sua parte “mais fácil” se mostrava um verdadeiro desafio de trail running, com todo tipo de percurso, só faltou chover ou nevar para complicar mais.

Era a minha vez de bordear o lago e ser observado pela turma que faria 15km e largaria em poucos minutos, passei pelo ponto de abastecimento, carreguei de água, comi uns frutos secos e parti para a parte mais difícil, sem aspas. Já cansado, mais pesado pela água na mochila, correndo na areia e na subida, a impressão era de não sair do lugar, aos poucos o terreno foi mudando e a inclinação aumentando, em certo trecho subia em pedras enormes e por sorte, nesse dia, secas e aderentes. O topo do vulcão aparecia entre as nuvens e bem antes delas, mas ainda assim bem pequenos, outros corredores, a câmera saiu do bolso várias vezes, podia ver o lago e as montanhas cada vez mais do alto, corredores pequeninos lá no alto e corredores pequeninos lá embaixo, com quase 4hs de prova, sendo duas delas só para subir 8km e alcançar os 1170m.

Foto: Paolo Avila

Cheguei ao ponto de retorno, checaram meu número e comecei a descer, pensei que poderia fazer boas imagens da descida com o vulcão ao fundo e o lago a frente, mas me surpreendeu o grau de dificuldade do terreno, com pedras soltas e uma inclinação que nunca havia corrido antes, em determinado trecho descia forte e percebi que não conseguia frear e minha velocidade aumentava cada vez mais a ponto de não saber o que fazer nos próximos passos, até que um ponto de elevação apareceu e consegui parar, fiquei mais ligado e com a adrenalina a mil, queria mais, queria chegar nos corredores a frente, saber que eu podia descer bem apesar do cansaço, segui firme, as pedras entrando no tênis e eu lembrando das polainas que ficaram em casa,

Faltava pouco, mas já considerava a corrida mais animal que fiz.
Foto: Paolo Avila

passei o tapete, tomei água, comi frutos secos, parei, tirei as pedras, a partir daí eram mais 5km planos, cada vez mais perto da entrada do parque e por onde pessoas passam, já não era mais as trilhas recém marcadas pelos corredores, voltava a parecer areia da praia que segurava, mas a mente fazia o corpo correr até o fim.

Cheguei deslumbrado com o que 7 amigos conseguiram organizar após voltarem de uma prova legal que haviam corrido, numa conversa de bar tiveram a ideia de organizar uma prova no quintal de casa e assim nasceu a VUT, e com apenas 2 aninhos atingiram o número estabelecido pelo parque de mil corredores e foi uma das melhores e mais difíceis provas de trail running que já fiz, já levando em conta, organização, cidade sede, percurso e visual. Foi uma corrida de corredores para corredores,como eles gostam de enfatizar. O único pesar é que os organizadores combinaram entre eles de não correr, só trabalharam, não sei nem se conseguiram comer o ceviche de salmão com palta que era oferecido aos corredores na chegada por um dos patrocinadores, a cerveja artesanal ou o cachorro quente… fui para massagem com os fisioterapeutas, fiquei 10min com as pernas no lago, assisti a chegada emocionada de muitos, peguei o ônibus e voltei pro hotel.

Para 2015 eles pretendem criar um percurso de 100km que circunda o vulcão, para dar 3 pontos na UTMB e mais duas distâncias que deem 1 e 2 pontos, além dos 15km como desafio aos debutantes nas trilhas. Ressalto que dos mil, 14 países estavam representados, mais de 30% eram mulheres e 66 eram brasileiros.

Como chegar: De Santiago, um voo ao sul de 1h15 até Puerto Montt, depois meia hora de carro até Puerto Varas, cidade de 40mil habitantes com muitos hotéis bons, boa comida, variedade de passeios turísticos com paisagens e natureza.

O que usei:

  • Tênis: The North Face Ultra Trail;
  • Meias: 2 pares de poliamida Quechua e Nike;
  • Calça legging: Adidas running;
  • Camiseta térmica nike e 1ª pele Columbia;
  • Mochila: Diosaz 10 Quechua. Dentro dela corta vento Montagne, 1ª pele Ansilta e luvas Quechua;
  • Óculos de sol: Briko;
  • Relógio: Polar V800;
  • Câmera: GoPro Hero 2.

Assista ao vídeo da prova.

 

Até a próxima.

Enzo Amato

Vulcano Ultra Trail (VUT)

Há poucos dias de encarar de frente o vulcão Osorno, em Puerto Varas, no sul do Chile, na Vulcano Ultra Trail, a euforia e ansiedade já estão à flor da pele.

Foto: Patricio Oberg

Fiz outros textos sobre essa prova há alguns meses atrás e agora deixo só o que me impressionou sobre os cuidados da organização para com os atletas para que pudéssemos nos preparar adequadamente ao longo dos meses tanto nos treinos quanto na escolha de equipamentos específicos para as condições que vamos encontrar.

  • Fizeram uma planilha especificando em quanto tempo mais ou menos passaremos nos pontos de controle, para 3 níveis de corredor, elite, guerreiro ou herói. Planejei minha alimentação como guerreiro e vi por essa previsão que a prova é difícil, já que os primeiros colocados nos 80km da elite devem concluir em mais de 9hs.
  • São 4 distâncias e mesmo quem vai nos 35km como eu, poderá olhar o vulcão de frente subindo até um dos pontos mais altos do percurso a 1170m.
  • Fotos do percurso, altimetria, altitude máxima, desnível acumulado, inclinação média etc… tudo está no site.
  • Sinalização de percurso diferente para as 4 distâncias, cada uma com sua cor;
  • Prognóstico de tempo durante a prova;

Mas nada foi tão legal quanto explicar como ser um corredor de ultra trail nesse vídeo.

As impressões do local, da entrega de kits, simpósio técnico e da corrida em si, faço quando voltar. Aguarde textos e vídeo.

Até breve.

Enzo Amato