Palestra Ultra Fiord, em SP.

A organização da Ultra Fiord pediu para que convidados de 15 países contassem como foi a experiência de ter participado da edição inaugural de 2015.

Fui convidado para fazer isso em São Paulo, e será um prazer contar o que senti nas 28hs que levei para concluir os 114km da corrida mais selvagem, inóspita e insana que já fiz.

Como treinei, o que comi, os equipamentos que usei, os erros, acertos e os obstáculos que uma prova tão extrema colocou na minha frente e na minha mente.

Em 2016 a prova contará com 5 distâncias, 30, 50, 70, 100 e 160km.

Traga suas perguntas e curiosidades. Te espero dia 5/11 as 19h na loja Mundo Terra, Al. dos Nhambiquaras, 809.

Entrada gratuita, favor confirmar presença através do email: enzoamato76@gmail.com

Enzo Amato

5 dicas para correr mais rápido.

É fácil correr mais rápido, mas tem que suar pra valer!

Imagem: Shutterstock

  1. Treine no mesmo local, para poder ter referências. 
  2. O frequencímetro também te dá boas referências, use-o sempre. 
  3. Saiba sua velocidade média de hoje, e a velocidade alvo que quer atingir. Esses 3 são seus parâmetros, batimentos, velocidade média atual e velocidade média alvo.
  4. Treino intervalado. Faça repetições mais rápidas que a velocidade alvo, e descanse. A distância varia e parte do que você pode fazer hoje, desde de 300m até conseguir fazer 2km acima da velocidade média alvo, com descansos de 2 a 3′ parado ou andando devagar.
  5. Treino de ritmo. É o outro tipo de treino que te faz subir de nível. Aqueça e depois corra na velocidade alvo, ou perto dela, pelo tempo que conseguir. Com o passar das semanas vai perceber que consegue chegar a uns 6km nesse ritmo intenso. 
  • Se sua prova alvo for de 10km você estará apto a tentar seu recorde.

Quantas vezes na semana, quantos km, quanto de descanso, quantas semanas vou levar para chegar nisso…?

A orientação de um profissional de Educação Física que entenda de corrida é indispensável. Os treinos não fogem muito disso. A maior variável são as pessoas, cada um tem sua rotina, tipo físico, tempo de prática, aptidão etc… O treinador que avalia tudo isso antes de passar seu treino.

Enzo Amato

De 102 para 88kg e um Ironman nas costas.

Na coluna Minha História do Eu Atleta. Um dos grandes que já treinei para concluir o Ironman.

Sempre digo que uma pessoa dedicada consegue fazer um Ironman, essa é parte da história do Leandro.

Reportagem de Igor Christ

Ex-fumante e ex-sedentário, Leandro Dasler via o ponteiro da balança subir a cada dia e cultivava maus hábitos. Profissional de tecnologia da informação, ele começou a se preocupar com a saúde e notou que a corrida poderia fazer parte da vida dele. Por isso, o novo Leandro começou a treinar, fez provas curtas no início, encarou uma maratona um tempo depois e conseguiu a proeza de completar um Ironman (principal triatlo do mundo). Nesse período, emagreceu 14kg (de 102 para 88kg) e se transformou numa outra pessoa. Clique e leia a reportagem completa.

Ultra Trail Torres del Paine 50km (en español)

La corrida más bonita que he hecho!

La Ultra Trail Torres del Paine pasa por casi todo el circuito W y hay tres puntos de belleza inigualable. Entre un punto y otro, paisajes que te dejan sin aire, lagos de varios colores, bosques y montañas nevadas. La naturaleza en su estado más salvaje.

Comencé con 7kms predominantemente de subida, pero antes de llegar a la cima vi a los primeros 4 colocados volando en la bajada con una diferencia de no más de 10 minutos, una disputa cabeza a cabeza. 

Naturaleza y deporte combinan.

Seguí subiendo para llegar al primer punto de regreso, con vista privilegiada de las Torres, o cuernos, como algunos las llaman. Momento especial para fotos, videos o dar un vistazo para guardar en la memoria. Volví bajando entusiasmado, incluso con algunos puntos técnicos, raices, curvas cerradas y senderos estrechos. Encontrar conocidos o solo decirle hola a desconocidos me daba una energía extra. Fueron unas buenas bajadas hasta el puesto de abastecimiento del km 15. Trivial, agua, isotónico, frutas, pan con mermelada, parecía un oasis en el desierto, recargué agua, abandoné lo trivial, saqué pan y rápidamente volví a mi buen ritmo. En ese momento bordeaba un lago color esmeralda, con las montañas gigantes siempre a la derecha y el paisaje infinito a la izquierda. 

Lindos paisajes en todo el recorrido.
Foto: Recasur rent a car

Algunos km de sendero estrecho con ese paisaje hasta que llegué al inicio de la segunda subida del circuito W, km 27, los tres primeros colocados ya habían subido y bajado, pero tuve la oportunidad de ver a Fernando Nazário en acción, era el 4º colocado en aquel momento en una bajada muy técnica, lo incentivé, me retribuyó y seguimos en direcciones opuestas. Para él ya era el km 31. Yo todavía tenía los 2 km de subida por delante, muchas piedras que formaban enormes escalones y un recorrido difícil de encontrar. Era necesario ponerle atención a la señalización roja del parque en los árboles y piedras que mostraban el camino. A la izquierda un paredón nevado de casi 3 mil metros hacía ruido de trueno con cada avalancha. Fue este el momento en el que más me sorprendí con el recorrido y con el poder de la naturaleza. 

La subida más dura de la corrida.

 

Moises Jimenes, 1º colocado.

No habían pasado 2/3 de la corrida y ya la consideraba la más linda de todas las que he hecho. Cuando llegué a la cima, tenía toda la montaña para observar, me olvidé que estaba en una corrida. Filmé, hablé, respiré profundo y observé todo con calma. Hasta empezar la bajada, a veces lenta y difícil, a veces desenfrenada como la corrida de un niño. Les avisaba a los corredores que iban subiendo que prerpararan sus camaras. Al final de la bajada me detuve en el puesto de abastecimiento del km 31, antes de cruzar el puente colgante, me senté para sacarme una piedra de la zapatilla mientras comía una galleta rellena y tomaba un café. El próximo puente estaba a 7km y abastecí la botellita con agua suficiente para llegar.

El recorrido continuaba lindo, rodeaba las montañas, pero enfrenté mi peor momento entre los kms 35 y 38, gases y malestar estomacal que me hicieron reducir bastante el ritmo, talvez deshidratación o barritas de cereal que nunca había comido antes, o todo junto mezclado con café… en fin, un obstáculo más a superar.  

Llegué al punto de apoyo del km 38 sintiéndome un poco mareado, comí la mitad de una banana, tomé isotónico y me acosté con las piernas en alto por 5 minutos hasta que me sintiera mejor. Partí para los últimos 11km, siendo 5,5km de ida hasta el mirador del glaciar Grey, subí un pequeño valle siguiendo un sendero silencioso a la derecha del lago Grey, donde el glaciar desprende sus enormes piedras de hielo. 

Matt Maynard de GreenBeanTrails.com 2º colocado, y el Glaciar Grey.
Foto: Graciela Zanitti / iloverunn

El punto de retorno era el último punto espectacular de la corrida, la tercera pierna del circuito W. Una masa de hielo con varios kms de extensión, las nubes altas nos daban permiso para ver el glaciar a lo lejos, hasta donde la vista alcanzara.Tuve otro momento de bajón y decidí sentarme de frente para el glaciar, comer una barrita de cereal, grabar unas imágenes, respirar profundo y descansar. “Perdí” otros 5 minutos. Estaba contento con mi corrida, mis piernas estaban bien, el clima perfecto para la latitud 51º, sin viento, buena visibilidad, solo me faltaban 5km para festejar, sabía que el malestar pasaría rápidamente. Tenía la seguridad de que estaba en la corrida más linda de los más de 20 años que corro. 

Foto: Graciela Zanitti / iloverunn

Me levanté, di media vuelta e hice mis últimos 5,5km. Correr rápido hacía que el estomago se me revolviera y sentía el malestar de nuevo, entonces fui despacio y así completé los 50 km en más de 8 horas.

Antes que pudiera saludar a todos los amigos y comer el plato de pasta que me esperaba en el Refúgio Paine Grande, me avisaron que un corredor había fallecido en el recorrido. La corrida que consideraba la más bonita fue también la más triste. Jonatan Canto tenía solo 23 años, se descompuso en la segunda subida, se sentó y tuvo una parada cardíaca. Esto provocó que muchos corredores que vieron lo que pasó abandonaran la corrida en ese momento. No lo conocía, pero durante mis grabaciones, en el desayuno, 1 hora antes de la largada, lo filmé por un segundo. Tiempo suficiente para que él sonriera para la camara de un desconocido, ese es el espíritu de un corredor de montaña y él lo tenía. Se murió como a muchos de nosotros nos gustaría morir, corriendo, pero sin duda se fue demasiado antes.

Todos volvimos en barco hasta el punto donde los colectivos llevarían a los corredores a sus hoteles, o a Puerto Natales, la ciudad más cercana. La alegría de haber hecho una corrida tan linda no me dejaba superar el desánimo de saber que un corredor, como yo, como todos los que estábamos allí, no volvería a su casa. Fue un momento raro que nunca había vivido antes.

De una u otra forma esta corrida quedará marcada en mi corazón. Por ser la más linda y por hacerme darle más valor a cada segundo de esta vida fugaz. 

- En breve el video de la corrida con lindas imágenes.

- Participé de la corrida invitado por la organización y seguramente volvería. Además, pretendo volver como turista y hacer el circuito W con mi familia.

Enzo Amato

Tênis Asics Gel – Fuji Attack 4

Foi o melhor tênis de trilha que testei até hoje.

Considerei várias características, e no fim das contas o Asics Gel – Fuji Attack 4 teve nota alta no meu conceito por unir leveza, robustez e conforto. De quebra ainda tem preço melhor que seus concorrentes.

Usei na minha última viagem a Patagônia onde fiz 3 provas em 9 dias.

Patagonian International Marathon, 60km por estrada de cascalho. (foto abaixo) O conforto do solado foi determinante para preservar os pés durante as 7h de prova.

Pés intactos mesmo depois de 7h pisando em pedrinhas.

Uma semana depois fiz a Ultra Trail Torres del Paine 50km por trilhas, pedras, terra e muito sobe e desce. A variação do terreno faz com que cada passada seja diferente da outra, com isso os pés roçam dentro do tênis podendo causar bolhas, principalmente nas descidas. A experiência do corredor ao proteger os pés com esparadrapo, vaselina, emplastro etc… e também uma boa amarração do cadarço reduz bastante o risco de bolhas. Foram mais de 8h e passei ileso pelos 2400m de desnível positivo.

Quase no fim dos 50km
Foto: Graciela Zanitti

Precisava estar inteiro pois no dia seguinte tinha o km vertical que era ascender mil metros numa prova de até 5km. A inclinação severa e o piso de pedras fazia com que o agarre da sola fosse extremamente importante, com ou sem chuva. Comecei por uma trilha entre árvores até que o terreno mudou e tudo ao meu redor passou a ser pedras soltas montanha acima. Num terreno desse as pedras estragam o cabedal com pequenos roces, mas não foi o caso com o Fuji Attack 4 por ter o material certo nas laterais.

Km vertical. Inclinação feroz, mas sem escorregões.
Foto: Solo Running

Durante a Ultra Fiord em abril escolhi um tênis confortável que rasgou em 4 lugares por causa da dificuldade de progressão do terreno e da fragilidade do material nas laterais do cabedal. Foi a primeira característica que observei no Asics antes de resolver usá-lo nas 3 provas e desta vez acertei na escolha.

Asics Gel-Fuji Attack 4
Depois de 17h de uso, 115km e mais de 4400m de desnível positivo. Tênis e pés zerados.

Só faltou cruzar rios e correr com os pés molhados, mas levando em conta todos os pontos positivos citados acima. Pelos testes de muitas horas em diferentes condições, escolheria ele sem dúvida para uma prova importante e cascuda. Por isso vou usá-lo na Ultra Fiord 2016!

Não sei se quem tem o pé muito largo vai gostar, é importante experimentar e comparar com o modelo que já usa. No meu caso me dei muito bem com ele.

Preço sugerido: R$399,90

*Recebi o tênis da mkt mix assessoria de comunicação da Asics Brasil.

Enzo Amato

Ultra Trail Torres del Paine 50km.

Foi a corrida mais bonita que já fiz!

(En breve en español)

A Ultra Trail Torres del Paine (UTTP) passa por quase todo o circuito W, e tem 3 pontos de inigualável beleza. Entre um e outro, paisagens de tirar o fôlego, lagos de várias cores, bosques e montanhas nevadas. A natureza no seu estado mais selvagem.

Comecei logo com 7km predominantes de subida, mas antes de chegar ao topo vi os 4 primeiros colocados voando na descida com uma diferença de não mais de 10” uma disputa bem acirrada.

Natureza e esporte combinam.

Segui subindo para chegar ao 1º ponto de retorno, com vista privilegiada das Torres, ou cuernos, como alguns dizem. Momento especial para fotos, vídeos ou olhadas para guardar na memória. Voltei descendo empolgado, mesmo com alguns pontos técnicos, raízes, curvas fechadas e trilha estreita. Encontrar os conhecidos ou mesmo falar holapara desconhecidos me dava uma energia extra. Foram boas descidas até o ponto de abastecimento no km 15. Trivial, água, isotônico, frutas, PÃO COM GELÉIA, isso pareceu um oásis no deserto, recarreguei a água, abandonei o trivial, peguei o pão e logo voltei ao meu bom ritmo. Nesse momento bordeava um lago cor esmeralda, com as montanhas gigantes sempre a direita e paisagem infinita a esquerda.

Lindas paisagens por todo percurso.
Foto: Recasur rent a car

Alguns km de trilha estreita com esse visual até que cheguei no início da segunda subida do W, km 27, os 3 primeiros já haviam subido e descido, mas tive a chance de ver Fernando Nazário em ação, 4º colocado naquele momento numa descida bem técnica, o incentivei, ele retribuiu e seguimos em direções opostas. Para ele já era km 31. Eu ainda tinha os 2km de subida pela frente, muitas pedras que formavam degraus enormes e percurso difícil de encontrar. Era preciso atenção com as marcações vermelhas do parque em árvores e pedras que mostravam o caminho. A esquerda um paredão nevado de quase 3mil metros que fazia ruído de trovão a cada avalanche.Foi nessa hora que fiquei mais maravilhado com o percurso e com o poder da natureza.

Subida mais casca da prova.

Moises Jimenes 1º colocado.

Nem 2/3 de prova e a considerava a mais bonita de todas que já havia feito. Quando cheguei no topo da subida tinha toda a montanha para observar e fiz questão de esquecer que era uma corrida. Filmei, falei, respirei fundo e olhei com calma tudo aquilo. Até começar a descida, ora lenta e difícil, ora desenfreada como corrida de criança. Dizia aos corredores que subiam para prepararem as câmeras. No fim da descida parei no abastecimento do km 31, antes de cruzar a ponte pênsil, sentei para tirar uma pedra do tênis enquanto comia biscoito recheado e tomava um café. O próximo ponto estava a 7km e reabasteci a garrafinha com água suficiente para chegar.

O percurso continuava lindo, rodeava as montanhas, mas enfrentei meu pior momento entre os km 35 e 38, gases e desconforto estomacal me fizeram reduzir bastante o ritmo, talvez desidratação ou barrinhas de cereal que nunca havia comido, ou tudo isso misturado com café… enfim, mais um obstáculo a ser superado.

Cheguei ao ponto de apoio no km 38 com um pouco de tontura, comi meia banana, tomei isotônico e deitei com as pernas para o alto por uns 5min até que me sentisse melhor. Parti para os últimos 11km, sendo 5,5km de ida até o mirador do glaciar Grey, subi um pequeno vale seguindo uma trilha silenciosa a direita do lago Grey, onde o glaciar desprende suas pedras de gelo enormes.

Matt Maynard do GreenBeanTrails.com, 2º colocado com Glaciar Grey ao fundo.
Foto: Graciela Zanitti / iloverunn

O ponto de retorno era o último ponto espetacular da prova, a 3ª perna do W. Uma massa de gelo com vários km de extensão, as nuvens altas nos davam permissão para ver o glaciar longe, até onde a vista alcançava.Bem ou mal, tive outro momento de baixa na prova e resolvi sentar de frente para o glaciar, comer uma barrinha de cereal, gravar imagens, respirar fundo e descansar. “Perdi” outros 5 minutos ali. Estava contente com minha corrida, tinha pernas, o clima estava ótimo para latitude 51°, sem vento, visibilidade ótima, só me faltavam 5km de comemoração, sabia que o mal estar passaria logo. A constatação de que estava na corrida mais bonita dos mais de 20 anos que corro, já trazia de 15km atrás.

foto: Graciela Zanitti / iloverunn.com

Levantei, dei meia volta e fiz meus últimos 5,5km. Correr rápido fazia o estômago chacoalhar e o mal estar voltar, por isso fui devagar e assim completei os 50km em mais de 8h.

Antes que pudesse cumprimentar a todos os amigos e comer o prato de macarrão que me esperava no Refúgio Paine Grande, fui avisado que um corredor havia falecido no percurso. A corrida que considerava a mais bonita foi também a mais triste. Jonatan Canto tinha apenas 23 anos, passou mal na segunda subida, se sentou e teve uma parada cardíaca. Isso fez com que muitos corredores que viram o ocorrido desistissem da prova naquele momento. Não o conhecia, mas durante minhas gravações, no café da manhã, 1h antes da largada, o filmei por um segundo. Tempo suficiente para que ele sorrisse para a câmera de um desconhecido, esse é o espírito de um corredor de montanha, e ele o tinha. Morreu como muitos de nós gostaríamos de morrer, correndo, mas sem dúvida foi cedo demais.

Todos voltamos de barco até o ponto onde os ônibus levariam os corredores para seus hotéis no parque, ou Puerto Natales, a cidade mais próxima. A alegria de ter feito uma corrida tão linda não conseguia superar o desânimo de saber que um corredor, como eu, como todos ali, não voltaria mais para sua casa. Foi um momento raro que nunca havia vivido antes.

De uma forma ou de outra essa corrida ficará marcada em meu coração. Por ser a mais bonita e por me fazer dar mais valor a cada segundo dessa vida fugaz.

- Em breve o vídeo da prova com lindas imagens.

- Participei da corrida a convite da organização e seguramente voltaria. Além disso pretendo voltar como turista e fazer o circuito W com a família.

Enzo Amato.

Patagonian International Marathon 2015.

60km, más de 7 horas, mil metros de desnivel positivo y 4 mil calorías.

*Clique para ler em português.

Terreno pedregoso, largas subidas, bajadas cortas, desnivel total de 1900 m. Guanacos, pájaros, silencio y naturaleza pura en 100% del recorrido.

Sin montañas para escalar ni rios para cruzar la PIM está recomendada a quienes les gusta correr sin paradas, las quebradas de ritmo son caudadas por las subidas y nada más. Para los menos competitivos es practicamente un paseo de contemplación del paisaje del Parque Nacional Torres del Paine, al sur de Chile. Siempre y cuando no elijas la distancia equivocada, ya que las subidas se intensifican con el transcurso de la corrida y te ponen en jaque en el momento en que estás más cansado.

El clima es la variable más determinante de esta corrida, el viento puede hacer que la sensación térmica caiga y te obligue a usar ropas totalmente diferentes de las que usarías en un día sin viento. Es importantísimo tener las capas de ropa correctas.

Los 8 puestos de hidratación para los 60k estaban bien abastecidos, esto mejoró en relación al año pasado. Había isotonico, agua y frutas en todos ellos. En los km 35 y 38 había comida caliente, galletas y hasta salame, que le cae muy bien a quien no está corriendo fuerte, que era mi caso a esta altura de la corrida. No estaba en un buen día y empecé a caminar bastante después de los 30km, algo que esperaba que pasara recién después de los 50k.

Naturaleza viva y espiritu contento.

La preocupación con el medio ambiente es notable, además de no entregar vasos de plástico, algo ya bastante fomentado en corridas de montaña, produciendo menos basura y evitando que los vasos se desparramen por el parque con el viento, tampoco había música en la llegada para no molestar a la fauna. Incluso pedían que tiráramos las cascaras de banana en los cestos de basura. A quien le gusta la naturaleza es un placer correr y darse cuenta que la corrida causa un impacto mínimo.  LINK…

30 países estaban representados en las 4 distancias, más de 650 corredores de los cuales más de 100 eran brasileros.

Lo que usé:

  • Zapatillas: Asics Gel Fuji Attack 4.
  • Pantalón: Asics running
  • Camiseta: Térmica Nike y camiseta del evento.
  • Manguito: OG
  • Rompeviento: Montagne
  • Mochila de hidratación: Raid Light – Olmo 5l.

Hacé click para ver el video con todos los consejos para prepararte para el año que viene.

En breve el video de 2015 (arriba el de 2013).

Participé del evento invitado por la organización.

Enzo Amato

Estratégia para os 50km da UTTP e Km vertical.

Não passar frio nem fome!

Nada é tão simples como 2+2. Numa corrida na Patagônia o que mais importa é estar preparado para não passar frio nem fome. Principalmente se precisar caminhar muito ou ficar parado esperando ajuda. A segurança vem antes da performance, não vale a pena ir mais leve e comprometer a própria vida.

A prova terá 2386m de desnível positivo, ou seja, cada subida somada vai me fazer ascender mais de 2km.

6 postos de abastecimento e quase a totalidade do circuito W, lugar que toda pessoa que gosta de trekking deveria conhecer. Será um prazer fazer o percurso correndo e apesar de carregar o cansaço de uma prova de 42 e outra de 60 em 2 semanas, vou ficar bem entretido com o visual e tentar concluir os 50km sem sofrer antes da metade da prova.

Um dia depois dos 50km haverá uma prova de km vertical. Ascender 1km numa prova de menos de 5km. Não tenho experiência nesse tipo de prova, mas é como subir uma parede. Estarei com as dores do dia anterior e o risco de lesão aumenta, principalmente em atletas menos experientes. Pode acontecer imediatamente, ou depois de alguns dias.

Vou tentar descansar o máximo que puder, comer a cada 2h, me hidratar com mais frequência ainda, não passar frio e tentar aquecer correndo alguns minutos antes da largada para não começar com as dores fortes demais.

Assim que voltar do parque conto como foi.

Enzo Amato

Os 60km da PIM

Estar pronto para fazer 60km exige vários dias de polimento. Fazer o último treino longo 3 semanas antes da prova, para dar tempo do corpo se recuperar e supercompensar, ou seja, estar melhor do que antes. Não tinha todo esse tempo, havia feito os 42km da Yaboty 7 dias antes, e além disso praticamente fui sem café da manhã. O resultado segue…

Pensamentos antes da prova – Me sentia bem fisicamente, sem dores, mas ciente que 7 dias era pouco tempo para me recuperar de 42km e fazer 60km com qualidade. Queria correr fácil entre L1 e L2, que para mim, hoje é em torno dos 150bpm.

Realidade durante a prova – Imaginava que o cansaço viesse antes da hora, mas não tão cedo como foi. Sempre tenho como parâmetro passar pela marca de 20km como se nem tivesse começado a correr, sem incômodos, sem fome nem sede, sorrindo… mas com 15km comecei a ficar desanimado e tive que usar minhas ferramentas mentais para me colocar pra cima, meu normal seria usar isso só depois dos 30km. Igualmente o físico começou a cansar na metade da prova, algo que em situação normal aconteceria só depois dos 40.

Reajustando objetivos – Os objetivos podem mudar com facilidade durante uma prova. O clima interfere muito nisso, muito calor e alta umidade relativa te faz diminuir o ritmo de corrida e o inverso também é verdadeiro, mas no meu caso o termômetro era o cansaço acumulado, pensei em começar devagar e ver até onde chegaria. Não adiantou muito. Cansei bem cedo mesmo numa velocidade fácil para mim e com o clima favorável. Meu único pensamento durante a prova era seguir adiante, comia e bebia com regularidade, pensava em coisas boas, nas pessoas que torciam por mim, nos bons treinos realizados, na minha capacidade de superação e tentava esquecer a dor muscular.

Conclusão - Fui até o fundo do poço nos 42km semana passada e enquanto ainda subia dei um outro estímulo que me fez afundar ainda mais. É importante esperar sair do poço, subir um degrau e só depois dar outro estímulo.

Parte da culpa foi ainda estar em processo de recuperação dos 42km, outra parte pelo cansaço da longa viagem e de um praticamente nulo café da manhã. Esses 3 fatores tiveram influência direta no desempenho.

Isso é bem recorrente nos treinos de muitas pessoas, elas não enxergam como o treinador, não dividem os tipos de estímulo na semana e freiam o próprio desempenho.

Próximo texto sobre os 50km da semana que vem… Apesar de parecer que a mesma coisa pode acontecer, estarei mais descansado e com um bom café da manhã a disposição. Será uma prova com mais desnível, com muita escalada, descidas mais técnicas e isso distrai mais a mente e dá mais motivação do que uma corrida constante.

Enzo Amato